6ª SÉRIE - 7º ANO

Atividade para entrega - Prof. Malu
Dia da Consciência Negra

Refletindo sobre os números em postagens sobre a comemoração do Dia da Consciência Negra, Lari Carvalho fala de um aumento de conscientização, não necessariamente da população negra:
Na realidade, a consciência da importância da cultura africana para a história nacional, bem como o orgulho do brasileiro de ser descendente de negros têm aumentado nos últimos anos.
Prova disso são os resultados do último censo do IBGE, que indicam que a proporção de brasileiros que se definem como negros ou pardos aumentou de 44,7% para 50,7%, desde 2000. [...]
O grande avanço que o resultado do último censo revela é a consciência da valorização da própria identidade entre os afro-brasileiros.
Lays Santos acha até engraçado que em um país onde a maior parte da população se declara negra, seja preciso ter um dia específico para chamar atenção para a consciência negra. Para ela, “deve ter algo errado, que nos “obriga” a comemorar esse dia”: [...] a sua essência está justamente em chamar atenção para inserção do negro na sociedade brasileira. Logo, podemos imaginar que ainda a população negra sofre desvantagem quando o assunto é o exercício da cidadania.
Claro que sim. Infelizmente esse problema das relações raciais no Brasil que influenciam na construção do ser social e no exercício da cidadania, está camuflado pelo mito da Democracia racial. Onde se acredita não haver desigualdade social devido à diferença étnico-racial. Quando na verdade, as estatísticas nos mostram o contrário. Como entender que a maioria da população é discriminada pela sua origem cultural? Como entender que o povo que ajudou a construir nosso país seja ainda discriminado por causa da cor da pele? Não é o Brasil um país de todos? Ao menos devia ser… O censo 2010 mostrou que ainda a desigualdade social está ainda associada a cor da pele. E isso precisa ser combatido com urgência!


  1. Faça um vocabulário de palavras desconhecidas do texto.
  2. Reescreva o texto com suas palavras, explicando o que você entendeu.
  3. Crie uma historia em quadrinhos sobre a importância do dia da Consciência Negra.


 30/10/2013

Conteúdos para as atividades do caderno do aluno Geografia – 6a série/7o ano – Volume 4

SITUAÇÃO DE APRENDIZAGEM 3
A DISTRIBUIÇÃO DA ATIVIDADE INDUSTRIAL NO BRASIL

O conjunto de pessoas que praticam alguma atividade produtiva ou população economicamente ativa estão distribuídos nos três setores da economia, esses são: setor primário, setor secundário e setor terciário.

Setor primário: esse ramo de atividade produtiva está vinculado ao desenvolvimento da agricultura, pecuária e ao extrativismo (vegetal, animal e mineral). Esse setor produz matéria-prima para o abastecimento das indústrias.

Setor secundário: atua no sistema industrial, enquadrando a produção de máquinas e equipamentos, produção de bens de consumo, construção civil e geração de energia. Nesse caso o setor em questão atua no processamento da produção do setor primário, além de promover a distribuição dos produtos em forma de atacado.

Setor terciário: está diretamente ligado à prestação de serviços (nesses estão professores, advogados e profissionais liberais em geral) e comércio em geral. O setor terciário está diretamente ligado ao comércio varejista.

A DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DAS   INDÚSTRIAS NO BRASIL


A atividade industrial, muito concentrada no Sudeste brasileiro, de uns tempos pra cá, vem se distribuindo melhor entre as diversas regiões do país. Atualmente, seguindo uma tendência mundial, o Brasil vem passando por um processo de descentralização industrial, chamada por alguns autores de desindustrialização, que vem ocorrendo intra-regionalmente e também entre as regiões.
Dentro da Região Sudeste há uma tendência de saída do ABCD Paulista, buscando menores custos de produção do interior paulista, no Vale do Paraíba ao longo da Rodovia Fernão Dias, que liga São Paulo à Belo Horizonte. Estas áreas oferecem, além de incentivos fiscais, menores custos de mão-de-obra, transportes menos congestionados e por tratarem-se de cidades-médias, melhor qualidade de vida, o que é vital quando trata-se de tecnopólos.
A desconcentração industrial entre as regiões vem determinando o crescimento de cidades-médias dotadas de boa infraestrutura e com centros formadores de mão-de-obra qualificada, geralmente universidades. Além disso, percebe-se um movimento de indústrias  tradicionais, de uso intensivo de mão-de-obra, como a de calçados e vestuários para o Nordeste, atraídas sobretudo, pela mão-de-obra extremamente barata.
A distribuição espacial da indústria brasileira, com acentuada concentração em São Paulo, foi determinada pelo processo histórico, já que no momento do início da efetiva industrialização, o estado tinha, devido à cafeicultura, os principais fatores para instalação das indústrias a saber: capital, mercado consumidor, mão-de-obra e transportes.

A indústria de transformação


A indústria de transformação  é responsável por transformar matérias e substâncias em nível físico, químico e biológico para a geração de novos produtos. Os componentes transformados são proveniente do cultivo e da extração, das áreas agrícolas, florestais, pesca, mineração e demais áreas industriais.
A indústria de transformação corresponde a uma importante etapa industrial, por meio de instalações industriais em fábricas munidas de máquinas e equipamentos de manipulação. É necessitada de planejamento, maquinário e energia.


Tipos de Indústrias: Bens de Produção, Capital e Consumo.

·     Indústrias de Bens de Produção (de Base ou Pesadas):  são aquelas que transformam matéria-prima ou energia em produtos que serão usados por outras indústrias. Costumam ficar perto da matéria-prima e dos meios de transporte que permitem o escoamento das mercadorias.
Exemplos: Siderúrgicas e Metalúrgicas.

·     Indústrias de Bens de Capital (Intermediárias):  são aquelas que produzem máquinas e equipamentos que vão equipar outras indústrias. Elas costumam ficar em regiões indústriais para permanecerem próximas de empresas consumidoras de seus produtos.
Exemplos: Indústrias de Peças e Ferramentas.


·     Indústrias de Bens de Consumo (Leves):  são aquelas que produzem bens que serão usados para o abastecimento da população em geral. Elas ficam espalhadas por várias regiões, especialmente aquelas próximas a mão-de-obra e ao mercado consumidor. A indústria de bens de consumo se divide em dois tipos conforme a natureza e a finalidade dos bens produzidos: Indústrias de Bens de Consumo não Duráveis e Indústrias de Bens de Consumo Duráveis.

Þ   Indústrias de Bens de Consumo não Duráveis: Fabricam bens que são consumidos em um curto espaço de tempo: Alimentos, cigarros, roupas, remédios, bebidas, etc.
Þ   Indústrias de Bens de Consumo Duráveis: Produzem bens cuja durabilidade é maior, ou seja, apresentam uma maior vida útil, pois tendem em demorar para fadigarem e apresentarem algum defeito: móveis, eletrodomésticos, automóveis, microcomputadores, etc.

Setor da indústria de transformação


AGROINDÚSTRIA
Divisão: Fabricação de produtos alimentícios e bebidas.
Exemplos de produtos: Refrigerantes, alimentos beneficiados e ensacados (arroz, feijão, café, açúcar etc.)
Divisão: Fabricação de produtos do fumo.
Exemplos de produtos: Cigarros, charutos

CELULOSE E PAPEL
Divisão: Fabricação de celulose, papel e produtos do papel.
Exemplos de produtos: Folha de sulfite, papelão, cadernos, livros papéis.

COMBUSTÍVEIS
Divisão: Fabricação de coque, refino de petróleo, elaboração de combustíveis nucleares e produção de álcool.
Exemplos de produtos: Gasolina, álcool combustível, óleo diesel

ELETRÔNICA
Divisão: Fabricação de equipamentos de instrumentação médico-hospitalar, instrumentos de precisão e ópticos, equipamentos para automação industrial, cronômetros e relógios.
Exemplos de produtos:  Aparelhos de apoio diagnóstico (raios X, ultrassonografia), balanças, microscópios, esteiras industriais.
Divisão: Fabricação de máquinas para escritório e equipamentos de informática.
Exemplos de produtos: Calculadoras, computadores, impressoras
Divisão: Fabricação de material eletrônico e de aparelhos e equipamentos de comunicação.
Exemplos de produtos: Radiotransmissores, antenas, telefones

GRÁFICA E AUDIOVISUAL
Divisão: Edição, impressão e reprodução de gravações.
Exemplos de produtos: Livros, cadernos, CDs, DVDs

MADEIRA E MÓVEIS
Divisão: Fabricação de produtos de madeira.
Exemplos de produtos: Chapas de madeira, caibros, vigas
Divisão: Fabricação de móveis. Mobiliário escolar,
Exemplos de produtos: armários, sofás, mesas

MATERIAL DE TRANSPORTE
Divisão: Fabricação de veículos automotores, reboques e carrocerias.
Exemplos de produtos: Automóveis, veículos utilitários, ônibus
Divisão: Fabricação de outros equipamentos de transporte.
Exemplos de produtos: Locomotivas, aviões, navios

MATERIAL ELÉTRICO
Divisão: Fabricação de fios, cabos e condutores elétricos.
Exemplos de produtos: Fiação da iluminação da escola

MECÂNICA
Divisão: Fabricação de eletrodomésticos.
Exemplos de produtos: Fogão, geladeira, liquidificador
Divisão: Fabricação de máquinas e equipamentos para a agricultura.
Exemplos de produtos: Tratores e colheitadeiras
Divisão: Fabricação de máquinas e equipamentos para as indústrias extrativa e de construção.
Motosserra, guindastes, escavadeiras

METALURGIA
Divisão: Fabricação de produtos de metal, exceto máquinas e equipamentos.
Exemplos de produtos: Tubos, conexões, chapas metálicas

MINERAIS NÃO METÁLICOS
Divisão: Fabricação de cimento e de produtos cerâmicos.
Cimento, cal, azulejos, pisos
Divisão: Fabricação do vidro e de produtos do vidro.
Exemplos de produtos: Chapas de vidro, copos

QUÍMICA
Divisão: Fabricação de artigos de borracha e plástico.
Exemplos de produtos: Embalagens de plástico
Divisão: Fabricação de produtos químicos.
Exemplos de produtos: Defensivos agrícolas, detergentes, produtos farmacêuticos, tintas e vernizes

TÊXTIL E CALÇADOS
Divisão: Confecção de artigos de vestuário e acessórios.
Exemplos de produtos: Calças, camisetas, peças íntimas
Divisão: Preparação de couros e fabricação de artefatos de couro e calçados.
Exemplos de produtos: Sapatos, bolsas, cintos, carteiras

Fonte: IBGE. Coordenação de Estatísticas Econômicas. Comissão Nacional de Classificação (Concla). Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2010. Adaptado.


Lição de casa

Pesquisa individual em embalagens e selos de fabricantes brasileiros.

O objetivo identificar as principais concentrações da atividade industrial no Brasil.

PRODUTOS ALIMENTÍCIOS
FABRICANTE
ESTADO DE ORIGEM









PRODUTOS DE LIMPEZA
FABRICANTE
ESTADO DE ORIGEM









PRODUTOS ELETROELETRÔNICOS
FABRICANTE
ESTADO DE ORIGEM










O que você pode concluir após a pesquisa?











07/08/2013
3º BIMESTRE


Introdução sobre como funcionam os biomas


As preocupações em relação às questões ecológicas são atualmente bastante exploradas nos diversos meios de comunicação, nas empresas, nos governos e nas salas de aulas de todos os graus. Isto porque as reservas naturais do planeta têm sido ameaçadas por um conjunto de ações humanas, principalmente em decorrência do enorme crescimento populacional do último século e modo degradante de exploração dos seus recursos . O consumo exagerado em muitos países do hemisfério norte, a miséria nos trópicos, juntamente com a expansão agrícola e a poluição alteram os ciclos biogeoquímicos e climáticos da terra. A biodiversidade sofre com a irreversível extinção de espécies. Embora, a “crise das espécies” seja, por si só, um fato grave, outra crise, a dos biomas, preocupa ainda mais, pois resulta na perda dos ambientes naturais onde as espécies nascem e desenvolvem-se.
Qual a diferença entre biomas e ecossistemas ?
Qual a diferença entre bioma e ecossistema? Essa é uma pergunta comum, porém a resposta não é tão óbvia. Para ilustrar, vamos ver as definições que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nos dá:

“Ecossistema - Sistema integrado e auto-funcionante que consiste em interações dos elementos bióticos e abióticos e cujas dimensões podem variar consideravelmente.”

“Bioma - Conjunto de vida (vegetal e animal) definida pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis em escala regional, com condições geoclimáticas similares e história compartilhada de mudanças, resultando em uma diversidade biológica própria.”
Biomas do Brasil
O Brasil pela sua localização geográfica e seu tamanho continental (8.514.877 km2) abriga seis biomas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Vamos ver algumas de suas características:


Amazônia



Amazônia é o maior bioma brasileiro.





A floresta amazônica é a maior e mais diversa floresta tropical do planeta, com quase 7 milhões de km2­ e abrigando mais de um terço das espécies existentes no mundo. Sendo que, mais da metade deste bioma está localizado em terras brasileiras. A Amazônia não é só uma floresta, lá está localizado a maior bacia hidrográfica do mundo, a bacia amazônica, com mais de 1.100 afluentes. Para se ter uma idéia, dos mais de 2.000 mm de chuva que caem na floresta por ano, 50% são oriundas da água evaporada da própria bacia.

A Amazônia pode ser dividida em dois tipos de relevo: as várzeas que se estendem ao longo dos rios e estão sempre inundadas e as florestas de terra firme, que cobrem a maior parte da floresta. Estes relevos, dependendo da visão, poderiam ser considerados dois biomas diferentes.



Apesar da grande riqueza da floresta, o solo, mais do que em outros biomas de florestas tropicais, é extremamente pobre, sendo que apenas 10% da Amazônia possuem solos férteis o bastante para atividade agrícola.



Mata Atlântica



A Mata Atlântica já cobriu cerca de 15% do território nacional. Hoje, restam apenas cerca de 7% da cobertura original da Mata. Por isso, é a floresta tropical mais ameaçada do mundo, sendo considerada um dos cinco principais hotspots de biodiversidade do planeta. A Mata Atlântica, juntamente com a Amazônia, compreende um terço da área de florestas tropicais da Terra.

Este bioma se formou sobre uma extensa cadeia de montanhas que acompanha quase todo o litoral brasileiro. Por isso alguns autores a considerem como um mosaico de biomas, como as florestas úmidas de Araucária, as matas de encosta e a floresta estacional semidecídua[1], que é encontrada principalmente no interior de São Paulo, sendo classificada como uma floresta tropical sazonal.



Nela são encontrados diversos animais ameaçados de extinção, como o mico-leão-dourado, o cachorro-vinagre e o mono-carvoeiro.



Cerrado



O bioma Cerrado se caracteriza por diversas fisionomias. Estas formações variam desde o cerradão, que se assemelha a uma floresta, no entanto mais seca, passando pelo cerrado mais comum no Brasil central, com árvores baixas e esparsas, até o campo cerrado, campo sujo e campo limpo com uma progressiva redução da densidade arbórea. Ali, ainda encontram-se as florestas de galeria que seguem os cursos dos rios. Apesar de possuir uma aparência árida e ter solo pobre apresenta uma rica biodiversidade, sendo considerado o bioma de savana mais diverso do planeta com mais de 10 mil espécies de plantas.



Como a Mata Atlântica, o Cerrado sofreu profundas alterações em decorrência da ocupação antrópica e hoje restam menos de 20% da formação original, apontando com um dos hotspots[2] de biodiversidade.



Caatinga



A Caatinga, palavra de origem tupi que significa “mata branca”, provavelmente recebe esse nome em alusão a vegetação sem folhas que predomina durante o verão. Este é um bioma que para alguns é exclusivamente brasileiro. Apesar de raso e conter uma grande quantidade de pedras, o solo é razoavelmente fértil. No entanto, as secas prolongadas que às vezes podem durar mais de um ano e o da maioria dos rios serem sazonais, com exceção do rio São Francisco, a agricultura na região só se torna viável com a construção de açudes e irrigação do solo. Essas técnicas têm transformado o solo dessas regiões, que se encontra muitas vezes salinizado.



Apesar de toda aridez, a caatinga agrupa uma grande diversidade biológica, sendo que duas das aves mais ameaçadas do Brasil ali se originam: a ararinha-azul (Anodorhynchus spix), considerada extinta na natureza e a arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari).





Pantanal



Dependendo da época do ano, o Pantanal fica com 80% da área submersa





Os rios que cortam o Pantanal, principalmente o Paraná, com o início do trimestre chuvoso em novembro, elevam seu nível de água e acabam desaguando no Pantanal. Por esta razão o Pantanal é conhecido como a maior área alagável do planeta, podendo ficar com 80% da sua área submersa, o que equivale a uma área de 144.294 km2 do pantanal brasileiro. A partir de maio inicia-se a "vazante" e as águas começam a baixar lentamente até o solo secar totalmente. Áreas de Cerrado, Caatinga e de matas ciliares são comuns no Pantanal, transformando este bioma, como outros, em um mosaico de biomas.



Apesar da grande biodiversidade, com 1.647 espécies de plantas e mais de 1.000 espécies de vertebrados superiores, o Pantanal apresenta baixo endemismo, conceito de espécies exclusiva de uma determinada região. Para se ter uma idéia todas as plantas e animais superiores que lá se encontram são comuns em outros biomas brasileiros. No entanto, o local se tornou um refúgio para muitas espécies de animais que se tornaram extintas em outros biomas.



Pampa



É chamado de Pampa o bioma de campo temperado que ocorre no sul do Brasil, além da Argentina e Uruguai. Esses campos são dominados por gramíneas que variam entre 10 e 50 cm de altura e o solo é naturalmente fértil. Com isso, a agricultura rapidamente se expandiu nesta região, causando a desertificação do solo.



O pampa gaúcho, que corresponde a 63% do território do Rio Grande do Sul, é um dos maiores centros de biodiversidade campestre do mundo, os 41% de vegetação nativa restantes abrigam cerca de 3 mil espécies de plantas e estima-se algo em torno de uma centena de mamíferos terrestres, como o Lobo Guará, o Veado Campeiro e Gato dos Pampas (Felis Colocolo) ameaçado de extinção , e 400 aves como a Curruíra do Campo e o Papa Mosca do Campo.



[1] constitui uma vegetação pertencente ao bioma da Mata Atlântica (Mata Atlântica do Interior), sendo típica do Brasil Central e condicionada a dupla estacionalidade climática: uma estação com chuvas intensas de verão, seguidas por um período de estiagem (seca)


[2] O conceito Hotspot foi criado em 1988 pelo ecólogo inglês Norman Myers para resolver um dos maiores dilemas dos conservacionistas: quais as áreas mais importantes para preservar a biodiversidade na Terra?



Ao observar que a biodiversidade não está igualmente distribuída no planeta, Myers procurou identificar quais as regiões que concentravam os mais altos níveis de biodiversidade e onde as ações de conservação seriam mais urgentes. Ele chamou essas regiões de Hotspots.



Hotspot é, portanto, toda área prioritária para conservação, isto é, de alta biodiversidade e ameaçada no mais alto grau. É considerada Hotspot uma área com pelo menos 1.500 espécies endêmicas de plantas e que tenha perdido mais de 3/4 de sua vegetação original.

 
 20/06 - ATIVIDADES PARA AS FÉRIAS

PRIMEIRA PARTE


SEGUNDA PARTE



07/06 - REGIÃO CONCENTRADA
(assunto explicado e discutido em sala de aula) - proposta de atividades no caderno do aluno vol. 2

Na observação de Milton Santos 1 e Maria Laura em 2000 juntos com o critérios usados pelo IBGE mais a historia da organização espacial dessas regiões, incorporando as mudanças cientificas, técnicas, tecnológicas e de comunicação dentro da indústria, agricultura e nos serviços. Incorporando as macrorregiões do Sul e Sudeste se forma a Região Concentrada.

_________________________________________________________________________
1 Milton Almeida dos Santos foi um geógrafo brasileiro. Apesar de ter se graduado em Direito, Milton destacou-se por seus trabalhos em diversas áreas da geografia, em especial nos estudos de urbanização do Terceiro Mundo. 
Nascimento: 3 de maio de 1926, Brasil
Falecimento: 24 de junho de 2001, São Paulo, São Paulo
Educação: Universidade de Estrasburgo

Região concentrada é



a área onde os acréscimos de ciência e tecnologia ao território se verificam de modo contínuo. Expressão mais intensa do meio técnico-científico informacional, essa região abrange os estados do Sudeste (Espírito Santo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo), os estados do Sul (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) e dois estados do Centro-oeste (Mato Grosso do Sul e Goiás), tendo como polo as metrópoles de São Paulo e do Rio de Janeiro.
 
Nessa região, a modernização generalizada e a intensa circulação interna e com outras regiões e países correspondem a uma marcada divisão territorial do trabalho. Sede da agricultura mais moderna do Brasil e do mais expansivo desenvolvimento industrial e financeiro, essa área concentra, também, os níveis superiores dos sistemas de saúde, educação, lazer e serviços modernos, como a publicidade, cujas demandas são garantidas pelo consumo dessa grande concentração produtiva e populacional.
 
As metrópoles de São Paulo e do Rio de Janeiro sediam os escritórios das mais poderosas firmas nacionais e das filiais das empresas globais, que têm um papel de controle do mercado nacional e de comando do respectivo território. É em São Paulo que se elabora e concentra a maior parcela das informações sobre a economia, a sociedade e o território. 


A acumulação de atividades intelectuais assegura a essa metrópole o predomínio das atividades produtivas de ponta, a função de suporte aos segmentos modernos da economia do país e, em decorrência, um caráter de encruzilhada na expansão do meio técnico-científico informacional. 

Como o território deve ser usado, hoje, com o conhecimento simultâneo das ações empreendidas em lugares distantes, a sua função de centro informacional lhe concede uma nova hierarquia no sistema urbano brasileiro.


Nessa região, a modernização generalizada e a intensa circulação interna e com outras regiões e países correspondem a uma marcada divisão territorial do trabalho. Sede da agricultura mais moderna do Brasil e do mais expansivo desenvolvimento industrial e financeiro, essa área concentra, também, os níveis superiores dos sistemas de saúde, educação, lazer e serviços modernos, como a publicidade, cujas demandas são garantidas pelo consumo dessa grande concentração produtiva e populacional.



As metrópoles de São Paulo e do Rio de Janeiro sediam os escritórios das mais poderosas firmas nacionais e das filiais das empresas globais, que têm um papel de controle do mercado nacional e de comando do respectivo território. É em São Paulo que se elabora e concentra a maior parcela das informações sobre a economia, a sociedade e o território. 

A acumulação de atividades intelectuais assegura a essa metrópole o predomínio das atividades produtivas de ponta, a função de suporte aos segmentos modernos da economia do país e, em decorrência, um caráter de encruzilhada na expansão do meio técnico-científico informacional. Como o território deve ser usado, hoje, com o conhecimento simultâneo das ações empreendidas em lugares distantes, a sua função de centro informacional lhe concede uma nova hierarquia no sistema urbano brasileiro.


 FONTES DE CONSULTA: 

 http://pt.wikipedia.org/wiki/Milton_Santos







COLAR NO CADERNO - MATÉRIA EXPLICADA EM SALA DE AULA - MAPAS E RESUMO 04/06/2013

IDH - O Índice de Desenvolvimento Humano

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) é um dado utilizado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para analisar a qualidade de vida de uma determinada população. Os critérios utilizados para calcular o IDH são:
- Grau de escolaridade: média de anos de estudo da população adulta e expectativa de vida escolar, ou tempo que uma criança ficará matriculada.
- Renda: Renda Nacional Bruta (RNB) per capita, baseada na paridade de poder de compra dos habitantes. Esse item tinha por base o PIB (Produto Interno Bruto) per capita, no entanto, a partir de 2010, ele foi substituído pela Renda Nacional Bruta (RNB) per capita, que avalia praticamente os mesmos aspectos que o PIB, no entanto, a RNB também considera os recursos financeiros oriundos do exterior.
- Nível de saúde: baseia-se na expectativa de vida da população; reflete as condições de saúde e dos serviços de saneamento ambiental.
O Brasil vem apresentando bons resultados econômicos e sociais nos últimos anos e o IDH vêm aumentando. A expectativa de vida em nosso país também tem aumentado, colaborando para a melhoria do IDH.
Dados considerados no IDH brasileiro em 2012:
- Renda per capita (PIB per capita): US$ 10.152
- Escolaridade da população: 7,2 anos
- Expectativa de vida: 73,8 anos

O Índice de Desenvolvimento Humano varia de 0 a 1, quanto mais se aproxima de 1, maior o IDH de um local.
De acordo com dados divulgados em novembro de 2010 pela ONU, o Brasil apresenta IDH de 0,699, valor considerado alto, atualmente ocupa o 73° lugar no ranking mundial. A cada ano o país tem conseguido elevar o seu IDH, fatores como aumento da expectativa de vida da população e taxa de alfabetização estão diretamente associados a esse progresso.
No entanto, existem grandes disparidades sociais e econômicas no Brasil. As diferenças socioeconômicas entre os estados brasileiros são tão grandes que o país apresenta realidades distintas em seu território, e se torna irônico classificar o país com alto Índice de Desenvolvimento Humano.


Obs.: Em novembro de 2010, a ONU, utilizando os novos critérios de cálculo, divulgou uma lista de IDH dos países. Porém, esse novo método ainda não foi aplicado para o cálculo dos estados brasileiros. Nesse sentido, o ranking nacional segue o modelo e dados divulgados em 2008 pelo PNUD:
__________________________________________________________________________________



REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO


BRASIL - POLÍTICO

 BRASIL FÍSICO

BRASIL - REGIÕES




Um comentário:

SEM SENTIDO disse...

olá professora malu, eu sou sua aluna, sou do 7ªB. O mapa de santo andré que você postou é muito pequeno e não da para ler as cidades, achei um link do mesmo mapa, maior e que da para ler as cidades: http://www.copesp.org/images/mapaspg.jpg